4 de julho de 2017

Novo modelo de gestão do Samu de SC deverá ser integrado aos bombeiros

Mudanças devem começar a partir de dezembro. Sindicato dos médicos questiona medida.
O novo modelo de gestão do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) deverá ser integrado com o Corpo de Bombeiros. O governo do estado vai anunciar mais detalhes nesta terça (4). O novo modelo deve entrar em operação em dezembro. O Sindicado dos Médicos de Santa Catarina questionou a medida, como mostrou o RBS Notícias.
Diferenças
Atualmente, Samu e Corpo de Bombeiros atuam separados, cada um com a sua estrutura. A ligação do paciente é encaminhada para uma central diferente, dependendo do número discado.
Quando a pessoa disca 192, a ligação vai para a central do Samu. Se ligar 193, para a dos bombeiros. A ideia com o novo projeto é que todas as ligações no futuro sejam encaminhadas para uma única central.
O governo já deu o primeiro passo para essa unificação. No diário oficial da quarta (28), nomeou o tenente-coronel João Batista Cordeiro Júnior, do Corpo de Bombeiros, para ser o novo gerente do Samu.
A mudança só deve ocorrer a partir de dezembro, porque é quando termina o contrato entre o estado e a SPDM, a empresa terceirizada que atualmente administra o Samu.

Questionamentos
O Sindicato dos Médicos de Santa Catarina demonstrou preocupação. Eles questionam como ficará a qualidade do serviço. Atualmente no Samu, são médicos que fazem a regulação das chamadas que chegam na central.
"É uma conversa que a pessoa que está chamando a ambulância tem com o médico, que seria o médico regulador, que vai avaliar qual é a ambulância que estaria melhor adaptada para fazer aquele atendimento daquela ocorrência", explicou o presidente do sindicato, Vânio Cardoso Lisboa. "No Corpo de Bombeiros não existe isso, quem recebe a chamada é um técnico de regulação e automaticamente encaminha a unidade", completou.
O Corpo de Bombeiros afirmou que vai explicar os detalhes do projeto na terça (4) durante uma entrevista coletiva. Em nota, adiantou que a nomeação "marca o início de um novo modelo", "visando a eficiência e a racionalidade na gestão". Também alega que "com a integração, ficará mais eficiente o envio das viaturas, de acordo com a necessidade da situação".

A nota diz ainda que "haverá também uma otimização dos espaços físicos, já que as equipes vão ocupar os mesmos prédios, e dos profissionais empregados nas ocorrências, com a integração das equipes de socorristas, enfermeiros e médicos dentro das viaturas".

Mas o sindicato dos médicos teme que um dos motivos da mudança seja o corte de gastos. "Eu tenho a impressão que isso vai gerar demissões. A chamada vai passar a ser atendida por um bombeiro, um soldado do Corpo de Bombeiros ou voluntário do Corpo de Bombeiros. E o técnico de regulação vai perder o seu emprego".

Fonte: G1 SC




Comentários
0 Comentários