1 de julho de 2017

Castração: Mitos e Verdades

Por: Bruna Regina Fagundes – Acadêmica de Medicina Veterinária.

 A população de cães e gatos cresce dia após dia. Porém, nem todos aqueles que nascem conseguem ter um dono ou um bom lar. Ninhadas são abandonadas no meio da rua e aqueles que sobrevivem geram mais e mais animais que terão um destino incerto. Muitos permitem que seus animais andem soltos e não têm controle sobre os acasalamentos.
A eliminação destes animais é escolhida como solução em algumas cidades com maior índice populacional. Seria mais humano e racional evitar o nascimento de tantos animais.
Sendo assim, no caso de Campos Novos, há alguns anos foi feito um mutirão de castração de animais de rua. E recomenda-se cada vez mais que a castração de animais de estimação seja feita pelos donos.

A castração previne não apenas o crescimento populacional de animais, mas também previne doenças no sistema reprodutor. Como tumores na próstata (em machos), tumores mamários e uterinos (em fêmeas). Outro objetivo da castração é deixar mais calmos animais que tem pretensão para agressividade. Os métodos mais utilizados são, retirada do útero e ovários, retirada dos 2 testículos ou interrupção da passagem dos espermatozoides.

Há muita polemica em torno da castração, deixando o procedimento com imagem de animais gordos, desanimados e apáticos, visto também como um ato de crueldade e mutilação ao animal. Porém é necessário desvendar mitos e verdades sobre o assunto.

·         A castração pode causar aumento do apetite, mas se a ingestão de alimento for controlada e o dono não ceder às vontades do animal, o peso será mantido. Animais castrados antes de 1 ano, apresentam menor tendência de se tornarem obesos. A obesidade pós castração é causada, na maioria das vezes, pelo dono e não pela cirurgia

·     O animal não fica menos ativo após a castração apenas se adquirir peso. Obeso, ele vai se cansar facilmente e não terá a mesma disposição. Os animais na fase adulta vão, diminuindo a atividade.

 ·  A cirurgia é simples e rápida e o pós operatório bastante tranquilo. É utilizada anestesia geral e o animal já está ativo 24 horas após a cirurgia. Não há nenhuma consequência maléfica para o animal que continua a ter vida normal.

· Muitos machos castrados continuam a ter interesse por fêmeas, embora ele seja menor comparado a um animal não castrado. Se o macho é castrado e há uma fêmea com cio na casa, ele pode chegar a cruzar com ela normalmente, sem que haja fecundação.

· Uma característica dos machos é marcar o território com a urina. Se o macho, for castrado antes de uma ano de idade, ele não marcará o território na fase adulta.

· Ao contrário do que alguns pensam, a cadela não fica frustrada ou triste por não ter tido filhotes. Essa é uma característica humana que não se aplica aos animais.

Se levarmos em conta quantas vezes um macho terá oportunidade de acasalar durante toda a sua vida reprodutiva, seria mais conveniente diminuir sua atração sexual pelas fêmeas, através da castração. O animal "inteiro" excita-se constantemente a cada odor de fêmea no cio, sem que o acasalamento ocorra, ficando irritado e bastante agitado, motivando a fuga de muitos.

A castração de machos traz benefícios como:

Evita fugas;
Evita o constrangimento de cães "agarrando" em pernas ou braços de visitas;
Evita a marcação do território (xixi fora do lugar);
Evita a agressividade motivada por excitação sexual constante;
Evita tumores testiculares;
Evita o aumento do número de animais de rua.

É errado o conceito de que a castração só deve ser feita em cadelas de rua.
Se o proprietário não tem intenção de acasalar sua fêmea, seja ela de raça ou não, é desnecessário enfrentar-se cios a cada 6 meses, riscos de gravidez indesejável e, principalmente doenças como câncer de mama e piometra.

A castração de fêmeas traz benefícios como:

Evita acasalamentos indesejáveis, principalmente quando se tem um casal de animais de estimação;
Evita o câncer nas glândulas mamárias na fase adulta;
Evita piometra (grave infecção uterina) em fêmeas adultas;
Evita gravidez psicológicas e suas consequências como infecção das tetas;
Evita cios;
Evita o aumento do número de animais de rua.







Comentários
0 Comentários